Coleta de amostras de folhas

TEXTO BASEADO EM INFORMAÇÕES RETIRADAS DE:

RAIJ, B. V.; H. CANTARELLA; J.A. QUAGGIO; A.M.C. FURLANI. Recomendações de adubação e calagem para o estado de São Paulo. 2. ed. Campinas, Instituto Agronômico/Fundação IAC, 1997 (Boletim Técnico, 100).

PORQUE ANALISAR AMOSTRAS DE FOLHAS

O objetivo principal de analisar amostras de folhas é identificar possíveis deficiências nutricionais na cultura, que podem ser corrigidas por adubações em cobertura ou foliares.

CONSIDERAÇÕES SOBRE AMOSTRAS DE FOLHAS

A composição química das folhas pode ser afetada por diversos fatores, como pulverizações de defensivos agrícolas. Assim, a interpretação correta da análise química de folhas está associada principalmente à amostragem e cuidados no envio do material para o laboratório. Os procedimentos de amostragem variam com a cultura, mas, em todas as situações, após a coleta das amostras, elas devem ser lavadas com água destilada ou deionizada, para remoção de impurezas superficiais (poeira ou resíduos), devem ser acondicionadas em sacos de papel (preferencialmente com alguns furos que permitam a entrada de ar) e enviadas rapidamente ao laboratório, para que possam ser processadas, no máximo, 48h após a coleta. Se houver necessidade, as folhas podem ser armazenadas em geladeira, mas não por um período muito longo, pois pode ocorrer deterioração do material.

Alguns detalhes sobre coleta de amostras de folhas de algumas culturas são relatadas a seguir.
Quando há suspeita de problemas nutricionais, pode-se coletar amostras pareadas, isto é, coletadas em plantas normais e coletadas em plantas afetadas, para comparar os resultados. Maiores informações podem ser obtidas no Boletim Técnico nº 100 do IAC.

COMO COLETAR AS AMOSTRAS

Algodão
Amostrar 30 plantas por talhão homogêneo, no florescimento, coletando os limbos das 5ª folhas a partir do ápice da haste principal.
Arroz, aveia, centeio, trigo e cevada
Coletar a folha bandeira, no início do florescimento. Mínimo de 50 folhas por talhão homogêneo.

Café
Retirar amostras de ramos frutíferos no início do verão, amostrando 50 plantas por talhão homogêneo. De cada planta deve-se coletar 2 folhas, sendo elas do 3º par a partir do ápice dos ramos, na altura média da planta. Deve-se tomar cuidado para amostrar todos os lados da linha do cafeeiro, de maneira igual. Plantas com anomalias não devem ser amostradas ou devem ser amostradas em separado.

Cana-de-açúcar
Amostrar 30 plantas por talhão homogêneo durante a fase de maior desenvolvimento vegetativo da cultura, coletando o terço central da folha +1 (folha mais alta com dewlap visível), excluindo a nervura central.
Citros
Coletar a 3ª folha a partir do fruto, gerada na primavera, com 6 meses de idade, em ramos com frutos de 2 a 4cm de diâmetro. Amostrar 4 folhas por planta, num total de 25 árvores por talhão homogêneo.

Goiaba
Coletar o 3º par de folhas completamente desenvolvidas, de ramos com frutos terminais. Amostrar 30 árvores por talhão homogêneo.

Milho
Coletar o terço central da folha da base da espiga, na fase de pendoamento.

Soja
Amostrar 30 plantas por talhão homogêneo, coletando as 3ª folhas com pecíolo, no florescimento.

ENDEREÇO
Dinardo Miranda Laboratório de Análises Agrícolas
Av. Patriarca, 1840 – 14031-580 Ribeirão Preto, SP
(16) 3919-1018 – dmlab@dmlab.com.br.